Sétima Consulta com o Pediatra – 6 meses de vida

Alimentação

Agora é o início da alimentação complementar.
Você deve insistir por até 15 vezes, em momentos diferentes,  o mesmo alimento para a criança tenha aceitação.
Além do leite materno e/ou fórmula adequada para 6 meses ele inicia com uma papa principal (almoço ou janta) e duas papas de fruta (9:30 e 15:30h).

Não é recomendado adicionar sal, mel e açúcar na alimentação até 1 ano de vida.

As frutas devem ser oferecidas in natura e amassadas, na consistência de papas e respeitando as frutas da estação.
A água deve ser oferecida entre as refeições com o máximo de 120 ml de água por dia.
A papa principal pode ser oferecida no almoço ou janta conforme a rotina da casa e quando a família estiver reunida. Pode ser complementada com leite materno até que a criança se mostre saciada apenas com a papa.
A quantidade de carne deve ser entre 50-70 gramas/dia.
Já pode ser consumido ovo, peixe e grãos de feijão pelo bebê.
A papa principal deve conter: cereal ou tubérculo (arroz, milho, macarrão, batata, mandioca, inhame, cará), alimento proteico de origem animal ( carne bovina, vísceras, ovos (cozido), frango, peixe e carne suína), leguminosa ( feijão, soja, ervilha, lentilha e grão- de-bico), verduras ( parte comestível são folhas – espinafre, acelga, couve, repolho, escarola) e legumes ( parte comestível não são folhas – cenoura, beterraba, abóbora, chuchu, vargem , berinjela, pimentão). A papa deve ser amassada e nunca liquidificada.

O Ministério da Saúde/Organização Pan-Americana da Saúde (MS/OPAS) e a Sociedade Brasileira de Pediatria estabeleceram, para crianças menores de 2 anos, dez passos para a alimentação saudável:
  1. Dar somente leite materno até os 6 meses, sem oferecer água, chás ou quaisquer outros alimentos.
  2. A partir dos 6 meses, introduzir de forma lenta e gradual outros alimentos, mantendo o leite materno até os 2 anos de idade ou mais.
  3. Após os 6 meses, dar alimentos complementares (cereais, tubérculos, carnes, leguminosas, frutas e legumes), três vezes ao dia, se a criança receber leite materno, e cinco vezes ao dia, se estiver desmamada.
  4. A alimentação complementar deverá ser oferecida sem rigidez de horários, respeitando-se sempre a vontade da criança.
  5. A alimentação complementar deve ser espessa desde o início e oferecida com colher; começar com consistência pastosa (papas/purês) e, gradativamente, aumentar a consistência até chegar à alimentação da família.
  6. Oferecer à criança diferentes alimentos ao dia. Uma alimentação variada é, também, uma alimentação colorida.
  7. Estimular o consumo diário de frutas, verduras e legumes nas refeições.
  8. Evitar açúcar, café, enlatados, frituras, refrigerantes, balas, salgadinhos e outras guloseimas nos primeiros anos de vida.
  9. Cuidar da higiene no preparo e manuseio dos alimentos; garantir o seu armazenamento e conservação adequados.
  10. Estimular a criança doente e convalescente a se alimentar, oferecendo sua alimentação habitual e seus alimentos preferidos, respeitando a sua aceitação.
Observações referentes aos passos 9 e 10:
  • Cuidados com a higiene (Passo 9): a partir da introdução da alimentação complementar, aumenta o risco de morbimortalidade, principalmente por contaminação de água e alimentos, o que é conhecido como enteropatia ambiental que pode levar à má absorção de macro e micronutrientes. É importante orientar as mães sobre a higiene das mãos, dos alimentos e dos utensílios, em especial da mamadeira, quando for utilizada (Ex: imersão da mamadeira e utensílios do lactente em água com hipoclorito de sódio 2,5% por 15 minutos - 20 gotas de hipoclorito para 1 litro de água). Os alimentos devem ser preparados em local limpo, em pequena quantidade, de preferência para uma refeição, e oferecidos à criança logo após o preparo. Os restos não devem ser novamente oferecidos na refeição seguinte. Os alimentos precisam ser mantidos cobertos e na geladeira, quando necessitarem de refrigeração. A água para beber deve ser filtrada e fervida ou clorada (2 gotas de hipoclorito de sódio 2,5% por litro de água, aguardando por 15 minutos).
  • Alimentação da criança doente (Passo 10): apresenta diminuição do apetite e está mais vulnerável a deficiências nutricionais. Episódios frequentes de infecções podem desencadear um ciclo vicioso e comprometer o estado nutricional. As crianças que estão em aleitamento materno devem ser estimuladas a mamar com maior frequência. Se já estiverem recebendo alimentos complementares, é importante oferecer os alimentos preferidos, em pequenas quantidades e mais vezes ao dia. Caso a criança já esteja comendo a refeição da família, pode ser necessário modificar a consistência (alimentos mais pastosos) para facilitar a aceitação. Em casos de febre e diarreia, a água (filtrada e fervida) ou o soro de reidratação oral deve ser dado em maior quantidade. Após o processo infeccioso, geralmente a criança apresenta mais apetite e a mãe deve ser orientada a oferecer-lhe refeições com maior frequência e/ou volume para recuperar o peso perdido.

Vacinas

O bebê com 6 meses deve ser vacinado contra: pneumococo, rotavírus, haemofilo influenzae tipo b, difteria, tétano, coqueluche, poliomielite e hepatite B e é opcional fazer a vacina contra a gripe(influenzae+H1N1).

Existem diferenças entre as vacinas particulares e do SUS, confira algumas:

  • Vacina conjugada pneumocóccica 10 ou 13 valente.= Pneumo 10V (SUS) ou 13 V (particular) – previne contra pneumonia, amigdalite, otite média, meningite, sinusites causados pelo pneumococo.
  • Haemofilo influenzar tipo b = Hib – previne contra doenças invasivas causada pelo h. influenzae tipo b, como meningite, epiglotite, etc..
  • Vacina Oral contra a Poliomielite = VOP= Sabin (SUS) = paralisia infantil, vírus vivo atenuado, contra-indicada em imunodeprimidos ou em contato com, visto ser eliminada pelas fezes e poder causar paralisia flácida, em raros casos.
  • Vacina Inativada contra a Poliomielite= VIP= Salk (CRIEs ou particular), realizada intra-muscular, para crianças que tiveram reação com a VOP,  imunodeprimidas ou em contato com imunodeprimidos, causa menos reação que a VOP.
  • Rotavirus = rotavírus atenuado cepa RIX– Rotarix (SUS) ou cinco cepas recombinantes atenuadas – RotaTeq (Particular, um pouco mais abrangente)
  • Difteria, Tétano e Pertussis = Coqueluche = DTP (SUS) ou DTP acelular (CRIE* ou particular, causa menos reação)
  • Tetravalente – DTP+ Hib (SUS)
  • Tetravalente acelular – DTPacelular + Hib (particular, causa menos reação)
  • Pentavalente – DTPacelular + Hib+ VIP ( particular)
  • Hexavalente- DTPa+ Hib + VIP+ Hepatite B ( particular)
 Veja os valores e opções de vacinas com as clínicas.

CRIE: Centro de Referência para Imunobiológicos Especiais, são os centros de vacinação do governo para crianças com necessidades especiais (imunodepressimidas, cardiopatas, em tratamento para câncer,etc) ou que necessitam de vacinas diferenciadas visto reação a vacina normal.

Resumindo

  • SUS : Pentavalente( DTP+Hepatite B) (Intra Muscular)=IM + VIP IM + Pneumo 10v IM + Rotavírus– 3 picadas com reação.
  • Particular : Hexavalente (DTPa+ VIP+ Hepatite B) IM + Pneumo 13 v IM + Rotavirus – 2 picadas sem reações maiores.
  • Opcional é a vacina contra a gripe : H1N1+ influenzae
SUS – só no período de campanha do ministério de saúde e para faixa etária de 6 meses a 2 anos, etc.
Particular – acima de 6 meses liberado para todos.

O que o meu bebê já faz?

Pega o objeto e explora manualmente e  oral, predominantemente oral.
Identifica fonte sonora  mesmo com atenção em outro objeto.
Colocado sentado sem apoio lateral ou posterior.

Fala sílabas isoladas (ba, da, ga).
Elevação do tronco superior e da cabeça. Cotovelo anterior a orelha.

Puxado para se sentar ajuda com o próprio corpo.
Segura o objeto para não retirá-lo da sua mão.
Entende o conceito de causa e efeito, assim gosta de jogar coisas no chão, para você e/ou ele pegar.
Responde a alterações do tom de voz. Imita sons. Gosta de brinquedos sonoros, dança com músicas. Assusta-se com sons altos.
Inicio de levar os pés na boca, rolar.











Ele gosta de atenção, começa reconhecer familiares e pode estranhar alguma pessoa não próxima.
A partir de agora ele usa suas artimanhas para chamar sua atenção.
Elogie os bons comportamentos.


Procure criar uma rotina para as atividades do seu bebê.  Assim o banho , as refeições e o passeio devem acontecer todos os dias, de preferência nos mesmos horários. O bebê estranha novidades e a rotina o ajuda a aprender e a se sentir mais seguro. Tente estipular algum horário para ficar com seu filho. Isso o ajudará a ter tempo para outras atividades. É fundamental que você se sinta bem emocionalmente para cuidar do seu filho, para isso precisa se cuidar também. Se você estiver nervoso afaste-se um pouco do bebê, pois ele é capaz de sentir seu nervosismo e pode começar a chorar sem parar.

Sono

15h por dia. A noite 11h e mais ou menos 2 sonecas durante o dia. Ter rotina para o sono. Não deixá-lo dormir no colo. Colocá-lo acordado no berço e fazê-lo adormecer ali, pois se ele despertar ele estará no mesmo local onde adormeceu e não se assustará (choro). A criança já pode dormir no seu quarto. Sempre de barriga para cima e sem objetos no berço. Nessa fase ele já consegue se acomodar no berço da forma que prefere. Cuidado com quedas.

Xixi e Coco

Alteração na consistência das fezes visto alimentação complementar. Alguns pacientes podem apresentar fezes endurecidas e o bebê pode até ter dificuldade para evacuar. Se sinal de sofrimento ou desconforto, converse com o pediatra. Você pode colocar um espelho do lado do trocador, assim o bebê se diverte olhando no espelho e a longo prazo irá se reconhecer.

O que fazer para o meu filho ter um bom desenvolvimento físico, emocional e intelectual?

Colocar o bebê sentado com leve apoio.
Dar um brinquedo simples estimulando-o a passar de uma mão para outra.
Quando o bebê estiver segurando um brinquedo, oferecer outro, para estimulá-lo a trocar os brinquedos, soltando o primeiro.
Esconder um brinquedo embaixo de uma almofada e incentivar o bebê a procurá-lo.
Brincar de esconde-esconde com o bebê. Esconda-se com uma fralda ou atrás de um travesseiro, para que ele encontre você.
Colocá-lo na frente de um espelho e fazer brincadeirinhas de aparecer e desaparecer.
Colocar o bebê sentado no seu colo e brincar de deita/levanta.
Segurar o bebê pela axila e brincar de pula-pula.
Colocar brinquedos longe dele para buscá-los arrastando-se.
Bates palmas com o bebê.
Fazer o bebê estender os braços para atirar-se no colo dos adultos.
Levar o pé do bebê até a mão ou a boca.
Estimular o bebê a rolar lateralmente.
Ele já se interessa por leitura com imagens bem coloridas.


 Como ler para o Bebê? 


Os bebês nessa fase já conseguem se sentar, segurar o livro e também coloca-los na boca.
Os pais podem nomear as figuras que o bebê aponta no livro ou aquelas em que ele fica interessado. Ajudar o bebê a virar as páginas do livro.
Transmitir o clima da história por meio da entonação da voz, de gestos e de expressões faciais. Converse e faça perguntas sobre as coisas que ele esta ouvindo. Ex:"Olha o gatinho. Como ele faz? Faz miau-miau."
Seguir as indicações do bebê para ler mais, repetir ou parar.




Alertas de Segurança para o bebê de 6 meses

Quedas (cama, trocador, colo, carrinho e poltronas)
Queimaduras (banho, cigarro, líquidos quentes)
Sufocação (dormir de barriga para baixo, enrolar cordão ou prendedor de chupeta em volta do pescoço, pequenos brinquedos, entre o espaço do colchão e o berço quando o colchão é do tamanho incorreto)
Intoxicações (medicamentos em doses erradas, substâncias tóxicas- naftalina)
Não deixe cães e/ou animais domésticos perto do bebê – pode ser perigoso.
Prefira termômetro digital pois o de mercúrio quebra fácil e é tóxico
Não utilize talco, pois há risco de sufocação.
Como o bebê leva a boca qualquer objeto que consiga segurar, cuidado com objetos muito pequenos, sujos e cortantes.
Mobílias e equipamentos para o bebê devem conter certificação pelo Inmetro e ABNT.
Transporte adequado no carro, usar bebê conforto adequada para cada faixa etária, conforme anexo abaixo.

Desenvolvimento e Segurança

Necessitam de supervisão constante, deixar fora do alcance: objetos pontiagudos, cortantes, que destacam partes, medicamentos, produtos de uso domiciliar.
Nessa faixa etária existe risco de aspiração (corpo estranho), queimaduras, choque elétrico, afogamentos, quedas, contusões e intoxicações. Para prevenir deve-se verificar a temperatura do banho e mamadeira, não usar talco, amamentar sempre no colo, ajustar os lençóis sempre sob o colchão do berço, não medicar sem receita. Usar protetor de tomadas.
Usar bebê conforto ou conversível de costas para o movimento do veículo e preso pelo cinto de segurança.





Bibliografia: Sociedade Brasileira de Pediatria