Constipação



Resultado de imagem para constipação

O que é ?

É a diminuição da frequência no ato de evacuar(fazer coco) e/ou com dificuldade e/ou dor no mesmo. Geralmente as fezes são grossas, endurecidas que podem entupir o vaso sanitário. Ou em cibalos (tipo fezes de cabrito) com muita dificuldade para elimina-las. Ou ficar mais de 3 dias sem evacuar.Em alguns casos pode ocorrer sangramento, visto fissuras anais.

Por que acontece?
Existem dois tipo de constipação : funcional e orgânica.
A orgânica é quando existe alguma mal formação anatômica ou alguma doença que a justifique.
A funcional é mais comum, onde não existe uma causa para ela e nenhuma doença associada, ocorre mais por mudanças de hábitos e/ou comportamento.
Em bebês, o esforço e a dificuldade no ato de evacuar, mesmo com fezes de consistência normal, ocorre pela imaturidade do sistema nervoso e pela incoordenação no ato de evacuar.
Lactantes amamentados no seio podem ficar vários dias, até 10 dias, sem evacuar e isso pode ser normal, desde de que sem dor.
Em crianças ela pode ocorrer na mudança da dieta ou rotina, no desfralde ou após alguma doença.
Em alguns casos, elas podem reter as fezes para não evacuar em lugares diferentes que a sua casa.
Uma vez que ocorre a constipação por alguns dias, as fezes retidas no cólon (intestino grosso) causam distensão do mesmo. Um cólon distendido pode não funcionar adequadamente e consequentemente mais fezes ficarão retidas levando a um ciclo vicioso. Fezes endurecidas e grossas - dor na hora de fazer coco - fissura anal - dor e medo - mais retenção fecal.
O comportamento de retenção é caracterizado quando a criança tem a vontade de evacuar
mas acaba inibindo-a com o cruzar das pernas e tensão na musculatura glútea evitando a
saída das fezes. Isso acaba perpetuando o ciclo vicioso de dor e retenção, atrapalhando ainda mais o tratamento.

Quais são as consequências da constipação intestinal?
Se a constipação intestinal não for tratada adequadamente, a longo prazo, poderá evoluir e gerar novas e graves complicações para o organismo, como as descritas a seguir.

  • Diverticulose: saculações do revestimento interno do intestino para fora de suas paredes.
  • Hemorróidas: dilatações tortuosas dos vasos sanguíneos da região anal que podem sangrar, além de causar incômodo e prurido (coceira), provocadas por fezes ressecadas e esforço exagerado ao evacuar.
  • Fissuras anais: pequenos "cortes" na região anal, provocados por fezes ressecadas e esforço ao evacuar, gerando dor, sangramento e ardência ao evacuar.
  • Câncer do intestino: a constipação intestinal também se relaciona com o aumento da possibilidade de desenvolver câncer do intestino, em razão da lentidão do trânsito intestinal e do consequente incremento na formação e no contato de substâncias cancerígenas encontradas nas fezes com a parede do intestino grosso, além da alteração da flora intestinal. 

Como se trata?
Conforme o caso do paciente. Alguns só com a alteração na dieta e aumento de aporte
de fibras e água, outros com laxantes para amolecer o bolo fecal.
O médico deve estar monitorando o tratamento que em alguns casos podem levar um tempo prolongado de medicação, até 1 ano ou mais, em alguns casos, até a resolução completa dos sintomas.

Laxante:
É importante no início do tratamento para não deixar acumular as fezes, pois isso leva a dilatação do intestino, desidratação das fezes, levando a uma evacuação dolorosa, com fezes calibrosas, endurecidas, ressecadas, podendo levar a fissura anal, com dor e sangramento no ato de evacuar.
A dor na evacuação causa a retenção fecal levando ao ciclo vicioso – dor – retenção – fezes ressecadas e calibrosas – dilatação da ampola retal – fissuras – dor na evacuação – medo- retenção...
Por isso tudo é importantíssimo manter o laxante todos os dias conforme orientação médica.

Treinamento Intestinal:
Só para crianças que já tenham o controle dos esfíncteres ( que já estão desfraldadas), geralmente após 4 anos. Fazer força de evacuar 2x/dia, durante 10 min, todos os dias após 20 a 40 min de uma grande refeição (café-da –manha, almoço, janta) ou quando vontade de evacuar.
Para realizar o treinamento intestinal a criança deve ter um local apropriado para evacuar conforme a faixa etária: troninho, adaptador no bacio, suporte para os pés (livro grosso, tijolo, banquinho) quando no bacio a fim de realizar a prensa abdominal (ângulo entre o abdômen e as coxas que possibilita a realização de força para evacuar).

Colocar na rotina da criança:

  • Aumentar a ingestão hídrica- 6 copos de água por dia ou mais.
  • Aumentar a ingestão de fibras – pão integral, arroz integral, macarrão integral, farinha de trigo integral, farelo de trigo. Aveia! Linhaça!
  • Aumentar a ingestão de frutas in natura com casca e bagaço e/ou secas - mamão, maçã, banana, manga, abacaxi, pêra, ameixa, uva, morango, laranja, ameixa-preta, coco, etc.
  • Aumentar a ingestão das leguminosas: feijão, lentilha, grão–de-bico, ervilha, milho, linhaça.
Os Probióticos, prebióticos, fibras solúveis e insolúveis auxiliam na formação do bolo fecal e transito intestinal.

Probióticos
  • Bifidobactérias: B. bifidum, B. infantis, B. longun
  • Lactobacilos : L. casei, L. plantarum, L. rhamnosus 
Prebióticos
  • Oligofrutose
  • Inulina
  • Pectina
  • Galactooligosacarídeos
  • Lactulose
  • Oligossacarídeos do leite de peito
  • fosfo-oligossacarídeos
  • fruto-oligossacarideos (FOS)
  • isomalto-oligossacarídeos, xilo-oligossacarídeos, etc

 Os frutooligosacarídeos estão presentes em alimentos como a cebola, alho, tomate, banana, cevada, aveia, trigo e mel.
 A pectina está presente na entrecasca dos cítricos, do maracujá e na maçã.
 As ligninas nas cascas de frutas oleaginosas e leguminosas como a linhaça e a soja.
A inulina é um oligossacarídeo retirado da raiz da chicória, alho, cebola, aspargos e alcachofra.
 A oligofrutose prebiótica (OF) está presente naturalmente em muitos alimentos como trigo, cebolas, bananas, mel, alho e alho-porró.

Fibras Solúveis



  • hemicelulose
  • pectina
  • gomas
  • mucilagem
  • oligossacarídeos não hidrosolúveis.
 Fibras insolúveis
  •   celulose
  •   lignina
  •   parte da casca das frutas
Crianças abaixo de 1 ano
  • Aleitamento materno
  • Formula complementar com prébióticos (FOS)
Vídeo do site GiKids - orientação aos pais de crianças com problemas gastrointestinais, associada a NASPGHAN - North American Society for Pediatric Gastroenterology, Hepatology and Nutrition.